sexta-feira, 9 de julho de 2010

Ser mãe de uma menina

Desde pequena que sempre disse que gostava de ter uma filha. Uma menina, uma companheira. Talvez por eu ser uma pessoa muito fechada, nunca tive grandes amigas e nunca fiz confidencias a ninguém. Sou muito emotiva, extrovertida e aparentemente sociável mas a verdade é que nunca tive uma amiga do coração a quem contasse tudo. Acho que não há verdadeiras amigas. Tenho medo de confiar nas pessoas e depois apanhar uma desilusão. Posso dizer que os meus verdadeiros amigos são os meus pais e o meu marido. O Ricardo é um marido excepcional, adoro-o, já passámos por muita coisa juntos e posso dizer que neste momento ele é a pessoa que melhor me conhece e compreende. Já deu mostras de me amar profundamente e está sempre ao meu lado quando mais preciso.

Ter uma filha era outro sonho. Uma menina que me compreendesse e que fosse não só uma filha mas uma verdadeira companheira, a amiga especial que nunca tive. Neste momento sinto-me completa. Desde que ela nasceu nunca mais me senti sozinha, nunca mais tive aqueles pesadelos horríveis em que ficava sozinha no mundo. Agora tenho outro tipo de pesadelos próprios de uma mãe, medos que nem ouso escrever... com a maternidade deixamos de ter descanso, passamos a viver de coração nas mãos, é verdade, mas também é verdade que conhecemos e experimentamos sentimentos ímpares, sem igual. É o tal amor incondicional, o amor puro, o amor que vem de dentro e nos turva a razão e se sobrepõe a qualquer outro sentimento.

Mas voltando ao ponto inicial, a verdade é que adoro a companhia da minha menina, ela é tão parecida comigo!
Vamos à praia juntas, à piscina, aos jardins, aos parques infantis, aos supermercados, aos centros comerciais, estamos sempre juntas! Posso dizer que nunca tive uma companhia tão boa! E daqui a uns anos também irá comigo para o ginásio. Admiro a minha filha, amo-a profundamente e confio nela. Quero fazer dela uma grande mulher, com uma forte auto-estima para não ir atrás de rebanhos. Eu nunca fui atrás de rebanhos e nunca me ralei muito com o que os outros dizem. Quero que ela seja uma pessoa de opinião própria, segura de si, livre e independente de espirito. Quero que ela se aprenda a estimar e a dar-se a quem realmente a merece. Quero que ela se sinta livre pois quem é livre tem sempre vontade de voltar ao seu ninho ao contrário dos prisioneiros.

Não gosto de lhe dizer que NÃO só porque NÃO. Quero e faço questão que ela compreenda e perceba as coisas pois só assim irá interiorizar os ensinamentos. Não gosto de a proibir, prefiro juntar-me a ela e de a ajudar ou de lhe fazer ver as coisas. Talvez por isso ela já consiga fazer uma série de coisas que a maior parte das crianças da sua idade não conseguem. Não quero que sinta medo pois o medo impede o ser humano de evoluir, mas quero que sinta responsabilidade e que tenha consciencia dos limites e das consequencias dos actos.

Gosto de lhe mostrar a realidade como ela é e falar com ela como gente grande. Agora ainda não percebe certas coisas mas aos poucos vai percebendo tudo...
Ser mãe de uma menina é para mim a maior alegria do mundo.É ter alguém com quem partilhar verdadeiramente o prazer de ser mulher! Roupas, acessórios, brincadeiras, conversas, coisas de mulher. O mundo feminino é fascinante e confesso que se tivesse um filho seria complicado para mim ter que conviver com aqueles universos violentos de monstros, carros, futebol, jogos de computador, espadas, pistolas e a testosterona a fervilhar.

Gosto deste universo cor-de-rosa e a minha princesa também! Aliás, ela diz assim "A Mamã Mu é cor-de-rosa!"; "A Rafaela é cor-de-rosa". Agora tem 2 anos e meio e já começa a saber as cores. Curiosamente cor-de-rosa é a sua cor favorita e é a primeira cor que ela identifica e conhece!!!! Quer a saia cor de rosa, o banco cor de rosa (o verde é da Mamã) e as unhas cor de rosa.

HOJE PINTEI-LHE as unhas pela primeira vez!!! No fim de semana viu as unhas da avó Zeza pintadas de vermelho e disse logo "Também quero. Quero cor-de-rosa". E hoje tive que lhe fazer a vontade porque ao tomar o pequeno almoço encantou-se com as unhas da boneca Bratz que também são rosa!
Foi para a escola de unhas pintadas de lilás muito suave, toda vaidosa!! Ser mãe de uma menina é assim!!!! E agora quer ter o cabelo comprido pois adora rabos de cavalo e tranças. Um dia destes acordou com uma birra porque queria que eu lhe fizesse uma trança... enfim, ideias não lhe faltam!
Confesso que não gosto de ver meninas da idade dela com unhas pintadas mas ao mesmo tempo pensei em como eu gostava de usar ténis e o meu pai estava sempre a zangar-se porque queria que eu usasse sapatos como as outras raparigas. Enfim, temos que relaxar! São pequenas coisas que a fazem feliz e afinal que mal tem andar de ténis ou de unhas pintadas???...a infância e a adolescência são períodos privilegiados da vida em que ficamos felizes com coisas que futuramente já não terão piada nenhuma. Depois vamos crescendo e tudo perde a graça e a vida vai-se tornando cada vez mais dura e cheia de regras e responsabilidades.

Sem comentários:

Enviar um comentário