quinta-feira, 8 de setembro de 2011

1 mês sem chucha!

É verdade, hoje faz um mês que a Fada levou as chuchas :-) UM MÊS!!!

E o que é que eu posso dizer? Posso dizer que a minha menina está de parabéns pois o balanço não podia ser mais positivo. A chucha já passou à história!

É verdade que a primeira semana foi complicada. Quando o sono e o cansaço apertavam a piolha começava a ficar chorona e ansiosa mas nunca falava na chucha. Confesso que até me faz confusão como é que uma criança com apenas 3 anos consegue ser tão senhora das suas decisões. É incrível  Nunca mostrou qualquer tipo de arrependimento por ter chamado a Fada, nunca!

"Eu estou a aprender a dormir sem chucha" dizia ela em tom decidido enquanto o sono ia chegando. Mas ao fim de uma semana tudo normalizou e aprendeu a dormir sem chucha, sem choros, sem ansiedade. Deixou de morder os lençois, deixou de sentir necessidade de ter algo na boca para adormecer. Missão cumprida! A Rafaela venceu mais uma prova de crescimento :-))

E anda feliz da vida com o camaleão e com a trotinete que a Fada lhe trouxe e só fala nas chuchas para se gabar quando encontra alguém e diz orgulhosa "Eu já não tenho chucha!". E estas palavras são ditas pela sua voz doce em tom vitorioso.

E na escola foi uma festa! Eu e a educadora temos uma óptima relação. Eu sou uma mãe muito atenta e exigente e a educadora é uma profissional à altura de todas as minhas expectativas. A Susana é uma profissional 5 estrelas. É importante que os pais e as educadoras dialoguem e que haja uma harmonia perfeita entre casa-escola/escola-casa. A educadora estava a par de toda esta história da Fada das Chuchas e também fez o seu papel.

A Rafaela chegou à escola e a Susana disse logo "ATENÇÃO, pára tudo! A Rafaela deixou a chucha!". E encheu a minha piolha de mimos e elogios :-) E até a deixou levar o camaleão para a escola (nos primeiros dias não o largava, era o substituto da chucha) durante toda a semana. Abriu essa excepção pois os meninos e as meninas só podem levar brinquedos de casa para a escola nas sextas feiras (a sexta é dia de brinquedos). Mas explicou-lhe que estava muito orgulhosa dela e que por isso podia trazer o seu companheiro camaleão durante a semana e a trotinete na sexta para mostrar aos colegas. Os colegas mais velhos deram os parabéns e os mais novos ficaram entusiasmados com a Fada das Chuchas.

A Susana também lhe ofereceu um livro fantástico que conta a história do gatinho Tico que, tal como a Rafaela, também deixou a chucha. O livro é um amor, tem umas ilustrações super queridas e a história é uma ternura ;-)

Em suma, o meu coração de mãe está feliz. Sei que fiz o melhor. Ela ter deixado a chucha foi o melhor. E o mais importante é que não foi um processo dolororo. Ela é que tomou essa decisão quando se sentiu preparada para tal.

Por outro lado, temos a escola que também dá o seu valioso contributo. E quando a escola é boa e as educadoras são boas profissionais tudo é melhor ainda.

Eu costumo dizer que é na escola que as crianças começam a sentir a pressão social e não tenho dúvidas disso. A escola uniformiza comportamentos, as crianças começam a fazer parte de um grupo, começam a perceber o que é próprio de cada idade, começam a ter noção do ridículo  começam a ter vergonha quando têm comportamentos desviantes.

A Rafaela já está no jardim de Infância, na sala dos grandes como ela lhe chama. Quando entrou para aquela escola tinha apenas 5 meses. Nessa altura foi para o berçário, depois aos 11 meses começou a andar e aos 13 transitou para a creche. E agora já está no Jardim de Infância. Agora já me diz que não é um bebé, agora já me diz que é uma menina pequenina mas que está a crescer  já me diz que é grande (mas adora que eu a chame de bebé quando a devoro com mimos e beijos!).

Os meninos da sala dos grande não usam chucha nem fraldas (isso é coisa de bebés, dizem eles com aquela cara de gozo!!) e muitos deles já se recusam a dormir a sesta porque acham que a sesta é coisa para bebés! Felizmente a minha piolha ainda não apanhou esta mania porque vem para casa depois de almoço e adora enroscar-se a mim enquanto eu lhe canto as músicas que ela tanto gosta. Mas tenho a certeza que se ela ficasse na escola como o resto dos colegas, se iria recusar a subir as escadas para dormir a sesta porque isso é coisa de bebé!... enfim... e a sesta é tão importante para o seu desenvolvimento físico e sobretudo psicológico... mas quem põe estas criaturas a dormir quando acham que já são grandes?? :-)))

E depois passam o resto do dia rabugentos e chegam à noite intratáveis!!!.. mas a verdade é que muitos pais também preferem assim. Assim chegam a casa, dão-lhes banho, muitos mal jantam por causa do sono e a seguir espetam com eles na cama. Não estou a criticar porque cada um sabe da sua vida, só estou a dizer que isso a mim não me interessa. Não quero que a minha filha ande a cair de sono sem aproveitamento físico e intelectual o resto do dia, até porque passa o dia quase todo comigo e gosto de a ver fresca e cheia de energia! Se um adulto com sono não é boa companhia, uma criança muito menos!!! Ficam insuportáveis! A falta de descanso dá com o ser humano em doido e nas crianças é muuuuuuuuuuito complicado.

Ainda faltam 3 anos para a minha piolha ir para a escola primária por isso dormirá a sesta até ela o desejar. O "desmame da sesta" só tem que ser feito obrigatoriamente uns tempos antes da primária pelas razões óbvias... até lá ainda falta!... até porque as crianças evoluem de uma forma espantosa mês após mês... têm um poder de adaptação impressionante e crescem a olhos vistos. Hoje é assim, daqui a uns meses é outra coisa... estão sempre a evoluir. Aliás, antes de ser mãe não fazia ideia que o crescimento de um ser humano fosse assim tão mágico, tão espantoso, tão complexo, tão apaixonante.