sábado, 1 de outubro de 2011

A crise e a Educação


O ministro da Solidariedade e da Segurança Social, Pedro Mota Soares, apresentou algumas alterações legislativas que deverão permitir abrir 20 mil novas vagas nas creches. Até aqui tudo bem, o pior vem a seguir, ou seja, querem aumentar o número de crianças por sala sem aumentar o número de educadoras e auxiliares!!!! Mas está tudo doido????? E ainda têm o descaramento de dizer que com esta medida pretendem manter a mesma qualidade. Ohhhh meus amigos, desculpem mas isto não me entra na cabeça!

O Governo pretende que os berçários passem a ter 10 vagas em vez das atuais 8. Nas salas das crianças até aos dois anos a capacidade deverá subir de 10 para 14 vagas e nas salas dos dois aos três anos o número de vagas deverá passar de 15 para 18.

Eu costumo dizer que com a saúde e com a educação não se brinca. Nestas áreas a perda de qualidade pode custar vidas, pode originar acidentes graves sem retorno e como mãe preocupada com o bem estar da minha cria não posso estar de acordo com esta medida! Sei que estamos em crise e que a contenção é total mas nestas áreas é inadmissível e preocupante.

A meu ver, estes números exigem pelo menos mais uma auxiliar por sala. Andam atrás das amas e das creches ilegais (e fazem muito bem!) porque geralmente têm apenas uma pessoa a cuidar de uma sala cheia de crianças (e por vezes essa pessoa nem tem qualificações para isso!) e agora com estas alterações parece que estão a promover o que têm andado a combater! se querem aumentar o número de crianças tudo bem, mas que aumentem também o número de pessoal porque com as crianças todos os olhos são poucos.

Para além disso, nestas faixas etárias o relacionamento humano é crucial. As crianças destas idades ainda precisam de ter uma atenção muito individualizada e por isso é essencial garantir a qualidade para garantir que não será afetado o desenvolvimento emocional e psicológico da criança.

E o que me preocupa é que hoje são mais duas ou três por sala, amanhã são mais quatro ou cinco... os nossos governantes e empresários são peritos em fazer omeletas sem ovos, gostam de esticar a corda até ao limite, adoram aumentar o trabalho mantendo o mesmo nível de empregados!! E neste caso em particular o que é que se põe em causa?? Põe-se em causa a segurança e a qualidade no ensino.

A educação deve ser um dos pilares da nossa sociedade mas infelizmente os nossos governantes têm (quase sempre) outras prioridades. Aumentar o número de crianças por sala sem aumentar o número de funcionários não é uma medida inteligente, não senhor! Quantidade e qualidade raramente andam de mãos dadas, muitos menos quando se trata de crianças e educação. Cabe a nós, pais, andarmos sempre atentos.