segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Chocante... brutal :-((

Todos os dias passo os olhos pela Visão online. E hoje fiquei absolutamente horrorizada com esta notícia. Mas que raio de mundo é este em que vivemos??

Na China uma criança de dois anos foi atropelada duas vezes e deixada a agonizar no meio da rua. As pessoas passavam, olhavam e ninguém a socorria.... MEU DEUS!... que brutalidade, que tristeza... o homem é sem dúvida o animal mais cruel à face da terra... dizem que a lei chinesa conduz a um medo de intervir, ou seja, a relutância em ajudar desconhecidos é generalizada. Mas aqui trata-se de uma menina de DOIS ANOS!!! dois anos!!!... que corações são estes que deixam uma inocente a agonizar e permitem que ela seja atropelada duas vezes... e que raio de pais são estes que a deixam sózinha?? provavelmente até se queriam ver livre dela... não sei... a política do filho único faz com que os chineses tenham o desejo de ter um filho macho, um filho homem... e para muitos pais as meninas são um alvo a abater.

E não falo mais nisto porque estes assuntos fazem-lhe ferver por dentro. Figo revoltada, mal disposta, com uma vontade enorme de ser uma espécie de super heroina com poderes mágicos para acabar de vez com a maldade que há por este mundo fora.

Esta menina tinha menos um ano que a minha filha. Pobre inocente. Quem me dera que todas as crianças podessem ter tudo aquilo que a minha princesa tem. E não me refiro a bens materiais mas SIM a amor, carinho, mimos, beijos, atenção, diálogo, compreensão, protecção.... uns pais que a amam acima de tudo e que só pensam no seu bem. É mimada, pois é, muito mimada mesmo! mas desde quando é que os mimos fazem mal a alguém? Eu devoro-a com mimos e costumo dizer que todos os mimos que lhe dou ainda são poucos. E gostava de ser milionária para conseguir concretizar um dos meus maiores sonhos: criar uma fundação para ajudar as crianças por este mundo fora, para proporcionar amor e qualidade de vida às que nada têm.

Aqui segue a notícia na integra retirada da Visão online:

"Uma criança de 2 anos foi vítima de atropelamento no passado dia 13 de Outubro, no estado de Guandong - China. O vídeo de vigilância mostra a criança a ser atropelada por uma carrinha, que seguiu caminho deixando a criança caída, a sangrar, numa rua estreita da cidade industrial de Foshan, no sul da província de Guandong.
Dezoito pessoas passaram nos minutos a seguir ao acidente, de carro, a pé e de bicicleta, mas nenhuma parou. A criança foi ignorada, acabando por ser atropelada uma segunda vez.
As imagens do acidente que ocorreu na passada 5ª feira à tarde mostram os sucessivos desvios feitos à volta da criança, e da poça de sangue onde se encontrava. Só a 19ª pessoa, uma funcionária de limpeza municipal de 58 anos chamada Chen Xianmei, é que largou a sua função para socorrer Yueyue, que encontrou quase sem vida.
O China Mail assegurou que Chen Xianmei foi ainda avisada pelos lojistas para não se meter no assunto quando esta procurava descobrir a identidade da criança.
A bebé encontra-se em coma profundo nos cuidados intensivos no Hospital Militar da cidade de Guangzhou. Segundos os médicos declararam ao Daily Telegraph, a criança sofreu complicadas lesões na cabeça, e apenas respira com ajuda do ventilador. Segundo os médicos disseram ao China Mail, Yueyue podia morrer a qualquer momento. Foi declarada morte cerebral no Domingo. O médico (Peng) ainda referiu que, na melhor das hipóteses, a criança ficaria em estado vegetativo, com suporte básico de vida.
A história de Yueyeu atravessou os principais portais online na China, acompanhada do vídeo que atraiu milhões de visualizações em apenas algumas horas.

Segundo o Daily Telegraph, muitos classificaram o vídeo como uma prova de que a China se está a tornar num "mundo sem moral". Outros culpam a cultura de compensação da China por um aparente show de insensibilidade, relembrando o caso do Bom Samaritano, que ajudou uma mulher a chegar ao hospital, e foi erradamente ordenado a pagar-lhe uma compensação. "Eles não ignoraram a rapariga, apenas não ousaram ajudá-la", dizia um de muitos comentários que salientava que a Lei chinesa conduz a um medo de intervir. A relutância em ajudar desconhecidos é generalizada e já conduziu a um debate angustiante no país, segundo o The Guardian.
Apesar da indiferença da sociedade, o pai da criança disse não querer entrar em debates de moral, optando apenas por rezar pela sobrevivência da criança."

Sem comentários:

Enviar um comentário