sábado, 17 de março de 2012

Houve festa no Picadeiro ;-)

Nem sei o que dizer! hoje tive uma experiência tão, mas tão boa... uma experiência que me trouxe ao rosto aquele sorriso que as crianças têm quando experimentam uma coisa nova e diferente. Voltei aos meus 8 anos.... ou 5, sei lá!! A criança que há em mim exteriorizou-se e foi um delírio.

Tenho a dizer que este estado de euforia se deve ao facto de ter andando pela primeira vez de cavalo. Eu sou assim, vibro com as pequenas grandes coisas da vida. 

Fomos a uma festa muito original onde a pedagogia e a brincadeira se encaixaram na perfeição. Foi a festa do sexto aniversário de uma grande amiguinha.

Às 10h00 da manhã estávamos no Picadeiro, em Monsanto, a ouvir atentamente o que José Malha dizia sobre os lindos cavalos que por lá andam. As coisas que nós aprendemos! Gostei imenso das suas explicações e aproveitei para lhe fazer uma série de perguntas sobre estes adoráveis animais.

Sabiam que os cavalos vão ao dentista uma vez por ano para limar os dentes de trás? os dentes criam um espigão que tem que ser limado para não magoar as bochechas.

Sabiam que as crinas nunca são cortadas, mas sim ripadas? Seguram-se e puxam-se as pontas estragadas com a mão. Ali não há tesoura.

Sabiam que os cavalos só podem ser montados a partir dos 3 anos? Sim, porque só a partir dessa idade têm a coluna formada e fortalecida.

Sabiam que por debaixo do casco se encontram 4 dedos e um quinto virado para trás?

Sabiam que durante a noite só dormem deitados uma hora? Depois levantam-se e passam a noite a dormir de pé. 

E eu poderia estar aqui toda a noite a falar sobre o que aprendi hoje. Mas houve uma coisa que me chocou brutalmente. Sabiam que há pessoas que abandonam cavalos em plena Lisboa? Pois é, eu nem queria acreditar. Fiquei parva quando José Malha disse que já encontraram cavalos abandonados nas Olaias, Galinheiras e Marquês de Pombal. Que as pessoas abandonam cães e gatos já eu sabia, mas nunca me passou pela cabeça que abandonassem cavalos. E, segundo ele, é uma situação bastante comum porque são animais  muito dispendiosos e que crescem imenso.

Mas as pessoas não pensam nisto quando adquirem um cavalo???... que horror :-(

Posteriormente são levados para o canil de Lisboa, ficam lá de quarentena e se ninguém os reclamar passam a ser propriedade da Câmara Municipal e vão para o Picadeiro. Um exemplo disso, é esta égua absolutamente amorosa. Chama-se Loba e foi encontrada nas Galinheiras (Alto de Lisboa, Lumiar). Estava grávida e abandonada. Foi levada para o Picadeiro, teve lá o seu filhote e hoje é feliz e bem tratada. Aqui ficam as fotos da mãe e respectiva cria.



Enfim, a crueldade do ser humano não tem mesmo limites. É triste mas é verdade.

Mas foi uma festa de aniversário diferente, sem dúvida. Adultos e graúdos tiveram oportunidade de aprender e de conviver com estes animais de olhos dóceis e dorso musculado.

Um dos pontos altos foi, como não podia deixar de ser, a alimentação porque não há criança que não goste de dar uma cenoura aos cavalinhos. A minha Rafaela delirou! por ela tinha ficado ali a enfardar os cavalos toda a manhã.


Mas a cereja no topo do bolo estava para chegar. Todas as crianças tiveram oportunidade de montar um cavalo. A minha Rafaela andou a semana toda a falar neste momento mas quando ele chegou não teve coragem. Ahhhhhhhhhh palerma!!! só garganta!
Enfim, mas como é óbvio não a obrigámos porque o ser humano deve vencer os medos por livre iniciativa e não por imposição. Não há nada pior que forçar uma criança a fazer uma coisa para a qual não se sinta preparada.

E eu desejosa de experimentar! E eu desejosa de saber qual é a sensação! E eu desejosa de montar aquele cavalo branco maravilhoso! parecia um cavalo de princesa :-)

Por isso mesmo, no final, quando o treinador perguntou se havia algum adulto interessado em experimentar, EU FIQUEI MALUCA!!! EU QUERO! EU QUERO! Yupiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!

Já estive dezenas de vezes ao pé de cavalos mas nunca me tinha sido dada esta oportunidade. E como não sou pessoa de desperdiçar as oportunidades que a vida me dá, aproveitei de imediato!

E foi tãããããããão bom, a sério. Há muito tempo que não tinha esta sensação... a sensação de experimentar algo absolutamente novo. Tive dificuldade em subir e em descer do bicho porque ele ao pé de mim era um monstro. Mas foi uma sensação de liberdade maravilhosa. O dorso é fofinho mas absolutamente musculado. Quando o cavalo começa a andar sentimos todos aqueles músculos, toda aquela força, todas aquelas articulações poderosas. O segredo está em manter as nossas costas sempre direitas e os joelhos juntos a uma coisa que eu agora não me lembro do nome (bufff... esqueci-me). Mas não é para todos, não senhora. Fiquei a pensar que se andasse quinze minutos a cavalgar ficaria sem me conseguir mexer nos próximos dias.

E a minha Boneca, ao ver a mamã em cima do bicho, não resistiu! Foi ter comigo e ficámos as duas sentadas naquele dorso imponente. Foi maravilhoso. É sem dúvida um momento que fica para a história da minha vida.


E agora vou dormir. Vou sonhar com o cavalinho branco porque amanhã temos mais uma festa de aniversário e há que recarregar baterias para uma tarde de diversão.

1 comentário:

  1. Acabou de me dar uma excelente ideia para a festa de aniversário do meu Gui. Fantástico!
    E também não fazia a mínima ideia que abandonavam cavalos, fiquei chocada a sério. Como é possível? As pessoas não pensam antes de adquirirem um animal de estimação, depois fartam-se e espetam com eles na rua. É um crime. Quem fosse apanhado devia ser severamente punido.

    ResponderEliminar