sábado, 14 de abril de 2012

Ela está a crescer e eu estou de parabéns!

O coração de uma mãe é um universo de infinitos sentimentos. Nele habitam alegrias, entusiasmos, deslumbramentos, sonhos, medos, receios, dúvidas... um mundo sem fim. Todas nós sentimos um orgulho infinito pelos pedaços de nós que pusemos neste mundo, sim, pedaços de nós, os filhos são extensões de nós próprias. Neles depositamos sonhos, ambições, queremos que tenham tudo o que há de bom e que nunca lhes falte nada. Pode não haver para nós mas para eles terá sempre que haver, se eles precisarem de oxigénio nós até paramos de respirar para que eles o tenham. É um amor que tem tanto de belo como de assustador.

Quando olho para a minha filha sinto um deslumbramento que não sinto por mais nada na vida. Um sentimento tão forte, uma coisa absolutamente inexplicável... aquela carinha de anjo, aquele sorriso maroto, aquela pele macia, tudo nela me fascina. Tenho pena que ela cresça, e só uma mãe pode compreender esta minha afirmação. Nós mães, umas mais que outras, temos este tipo de sentimento. Gostamos de ter os nossos bebés no colo, os pintainhos debaixo das nossas asas. Tenho pena que um dia a minha filha deixe de ser a gatinha fofa e reguila que anda sempre atrás de mim a falar, a pedir miminhos e a dar-me cabo da cabeça!! :-)

Mas, por outro lado, também há em mim um sentimento contraditório. Por vezes, também desejo que seja mais autónoma para que eu consiga respirar. E o desenvolvimento dessa autonomia depende de mim, eu é que tenho que ir soltando o cordão umbilical para o bem de ambas. Somos demasiado agarradas uma à outra e, como não há família por perto para ajudar, é natural que este apego ainda seja maior pois estamos sempre juntas e passamos o dia juntas (porque ela só vai para a escola de manhã porque eu faço questão de a ir buscar às 14h00 para lhe proporcionar tempo de qualidade e em quantidade). Por isso, tornar-me freelancer foi a melhor opção que tomei. Nem tudo são rosas mas pelo menos sou dona do meu tempo. 

Mas hoje dei um grande passo como mãe. Hoje a piolha ficou na festa de aniversário da Bia sem a minha presença. Foi a segunda vez que isto aconteceu. A primeira foi no final do ano passado na festa do Tomás, um dos seus colegas de escola. Conhecemos o Tomás desde bebé, entrou para o berçário na mesma semana que a Rafaela, tinham ambos cinco meses. A casa dele fica aqui ao pé da nossa e ela ficou lindamente na festa sem nós. Eu e o papá ficámos por lá na conversa um bocadinho e éramos os únicos pais porque os outros tinham deixado os filhotes na boa e tinham ido naturalmente à sua vida. Mas aqui a tonta da mamã estava com dúvidas e receio de deixar a sua bicharoca fofinha. Mas a piolha estava lindamente e percebi que não havia razão para preocupações. Ficou lá uma hora sem nós. Ela nem deu pelo tempo passar mas a mim pareceu-me um eternidade e não consegui relaxar com o papá em pleno shopping em busca de uma prenda para um amigo. Fiquei ansiosa e ganhei uma dor de cabeça horrível. Sou mesmo tonta, eu sei :-(
Quando regressámos à festa, ao fim de uma hora, a nossa pequema matraca estava feliz da vida na paródia com os amiguinhos. E aqui a mamã sentiu-se mesmo palerma!!!

Ontem também percebi que ela podia ficar na festa da Bia como ficaram todas as outras crianças sem os pais. A Bia também é colega de escola, também se conhecem desde bebés e também é nossa vizinha!! A festa foi na casa dela por isso não havia razões para preocupações. Disse-lhe que eu ficava lá um bocadinho a conversar com a mãe dela e que depois vinha para casa tratar de um monte de coisas e que depois a ia buscar. Ela desatou num pranto e eu pensei que o melhor era eu ficar também.

Mas, assim que entrámos pela casa da Bia adentro, a minha piolha maluca mudou logo de atitude! Foi logo ter com os amigos, ficou na boa, deu-me um beijinho e foi para a paródia!!! eh eh eh!
Eu sei, eu é que sou uma tonta, mas tenho prometido a mim própria que vou começar a soltar o cordão umbilical pois é bom e saudável. A mãe da Bia disse-me para eu ir descansada e eu só lhe pedi para ter atenção com as varandas (mas estavam todas protegidas, felizmente!) e para não a deixar empanturrar-se de gomas e batatas fritas.

Ela disse-me para eu lhe ligar se quisesse mas eu pus a mão na minha consciência e vim para casa descansada. Que raio! não posso ser assim! para bem da minha sanidade mental. 

Ao fim de duas horas e meia, quando lá passei para a ir buscar, foi a loucura total!!!!! estava com umas rosas de cor gigantes, toda transpirada, já tinha tirado os sapatos e despido os leggings!!! só tinha o vestido em cima da pele e andava numa euforia desgraçada. Para se vir embora foi um castigo!! é tão doida, tem uma energia diabólica, tem mesmo! 

A tonta sou eu, pois sou! porque a minha filhota é daquele tipo de crianças que se mete com toda a gente, é super extrovertida, super sociável e imparável!! talvez por tudo isto, sei que ela exige muita atenção pois aquela cabecinha está sempre a pensar em disparates e todo o cuidado é pouco. Enfim, tem apenas quatro anos, está tudo dito.

E eu, como sou uma galinha da pior espécie, estou sempre com receio que lhe aconteça alguma coisa, levo a minha função de Anjo da Guarda muito a sério. E as poucas vezes que solto a rédea fico sempre ansiosa.... enfim, ser mãe é assim, os nossos filhos crescem e nós também temos que aprender a crescer como mães.

Há quem pense que as desgraças só acontecem aos outros e eu penso constantemente que as desgraças também me podem acontecer a mim e por isso tenho que fazer um esforço enorme para soltar as rédeas, mas tem que ser... tudo isto por causa do trauma com que fiquei da minha primeira gravidez. Mas hoje estou de parabéns porque consegui soltar a rédea, fiquei ligeiramente ansiosa mas já não explodi de dor de cabeça! estou no bom caminho ;-)

PARTICIPEM no PASSATEMPO AngelLuzinha + Doçuras da Patty. Cliquem AQUI.

2 comentários:

  1. Sigo o seu blog há algum tempo e hoje, ao ler este post, não resisti a deixar o meu comentário porque me identifico imenso com as suas palavras. O coração de mãe é mesmo assim. Adoro a forma genuina como passa para o papel o que lhe vai na alma, sem medos nem vergonhas. Parabéns pelo seu cantinho cor de rosa e as maiores felicidades.

    Rute, mãe babada do Miguel e da Madalena.

    ResponderEliminar
  2. Não é tonta, nem pensar! é mãe e ser mãe é assim. Mas é bom aprender a relaxar pois eles crescem e têm que ganhar espaço. Mas não é fácil para nós, sobretudo nos dias de hoje e no mundo em que vivemos onde os perigos são casa vez mais. Mãe sofre! E eu que o diga! o meu filho está agora na adolescencia, começa a querer sair com amigos e não é fácil. Temos a sensação que estamos a perder o controlo. É complicado. Aproveite bem os 4 anos da sua princesa porque o tempo voa!---- Ana Vitorino

    ResponderEliminar