terça-feira, 11 de setembro de 2012

Aguarelas, desabafos e preocupações de mãe

Graças às aguarelas a Rafaela conseguiu estar um bocadinho sossegada enquanto o papá acabava o jantar e eu passava a ferro... ahhh pois! é que ela está muito mal habituada e a culpa é minha que sempre a habituei à minha presença e brincadeira constantes... eu pensava que ela ia melhorar com a idade mas a verdade é que não tarda tem 5 anos e cada vez exige mais e mais atenção. Já em bebé era assim, só estava bem na conversa e no passeio, assim que eu ia fazer qualquer coisa ela desatava num pranto. Por isso, optei por a colocar na espreguiçadeira sempre junto a mim (quer estivesse na casa de banho ou na cozinha) para que nunca nos perdêssemos de vista uma à outra pois sempre fui uma mãe galinha, muito por culpa da minha primeira gravidez em que a perda dos gémeos me deixou traumas profundos. Todas as mães se preocupam com os filhos e quando passamos por uma experiência traumática pior ainda! passamos a viver a maternidade com muita ansiedade e com medo de tudo mesmo quando não há qualquer razão para nos preocuparmos. 

Tirava-lhe os botões e toda a espécie de aplicações da roupa com medo que ela os arranca-se e engoli-se porque, quando ela tinha 7 meses, apanhámos um susto horrível quando ela conseguiu arrancar o penso que lhe puseram na pernoca depois da vacina e o engoliu! foi um pesadelo!!!!!!!!!!!!!!! vínhamos os três no carro, da Cuf Descobertas, onde ela nasceu e onde era vacinada nos primeiros meses (até eu mudar de pediatra porque não estava satisfeita com o que tinha lá) quando ela começou a vomitar-se e a ficar tipo asfixiada! parámos em plena 2ª circular e só então, depois de vomitar o penso, percebemos o que tinha acontecido. Depois deste episódio fomos levá-la ao infantário e cada um seguiu para o seu emprego (nessa altura eu ainda trabalhava a tempo inteiro numa empresa). Mas só sei que passei o dia em estado de choque e implorei à educadora, pela milésima vez, que tivesse sempre muita atenção porque ela tinha o péssimo hábito de meter TUDO na boca. Parecia um aspirador, era terrível. Mas foi um susto dos diabos!... parados em plena 2ª circular, em hora de ponta, um transito medonho, ela toda roxa no banco de trás a vomitar-se!! ohhhh meu DEus! era tão pequenina e já fazia tanto disparate! por isso é que todo o cuidado era pouco porque ela sempre teve uma vivacidade extraordinária. Eu acordava mil vezes durante a noite para ver se ela estava a respirar, cosia-lhe os lençóis à colcha porque ela se mexia imenso a dormir (ainda hoje é assim!) e eu tinha medo que ela ficasse asfixiada debaixo porque com seis ou sete meses ora dormia com os pés para a cabeça ora com a cabeça para os pés... enfim... era uma loucura... até que optei pelos sacos de dormir com mangas porque assim não se metia debaixo da roupa e nem se destapava.

Por isso, toca de andar sempre com a pequena cria debaixo de olho com medo que lhe pudesse acontecer alguma coisa porque ela sempre foi muito reguila, destemida, decidida e enérgica, sempre muito mexida e tagarela... e muito chorona também!

Mas com tudo isto, hoje, a caminho dos cinco anos, continua a não sabe estar sózinha. Não sabe nem gosta, é uma verdadeira bichinha de companhia!... e a verdade é que se o tempo voltasse para trás eu faria exactamente o mesmo. Se a habituei assim foi porque o meu coração de mãe achou que era o melhor porque a piolhita só fazia asneira e eu temia o pior. Com 11 meses já andava sozinha e era uma espécie de furacão! era a inconsciência total, sem medo de nada e com uma vontade infinita de descobrir o mundo!... um perigo às solta por onde quer que andava :-))

Mas ontem tivemos aguarelas ;-) aqui está ela, sentada na mesa da cozinha, muito entretida a pintar a tartaruga e a borboleta que a mamã lhe desenhou, enquanto eu e papá tratávamos das malditas lidas domésticas que nunca têm fim numa casa de família.


O blog AngelLuzinha também está no facebook aqui

3 comentários:

  1. Benditas aguarelas!... Eu revejo-me nessas palavras!! A minha piolha ainda tem 16 meses mas só quer atenção.. e eu dou-lha, toda quanto ela quer e eu também quero.. o resto faz-se, e ela está em 1.º lugar. Sempre.

    ResponderEliminar
  2. Sabes Paula, acho que isso também tem a ver com a personalidade deles e não só pelos nossos actos.
    Eu tenho dois, mais ou menos a mesma educação e a Inês só agora consegue entreter-se sozinha (9 anos), mas mesmo assim gosta mais de companhia e o João sempre, desde pequeno, gostou de brincar sozinho, à maneira dele, no quarto dele! Com ela tinha os brinquedos na sala porque queria estar connosco, mas ele sempre brincou no quarto. São os nossos tesouros!

    ResponderEliminar