sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Há cicatrizes que nem o tempo apaga e uma vida que não deve ser desperdiçada...

As tardes são só nossas. Às 15h00 vou buscá-la à escola. Podia ficar lá até às 19h00 como os colegas mas isso para mim é absolutamente impensável. Foi por ela e por nós que abracei esta vida de freelancer com tudo o que tem de bom e menos bom. Deixei de ter férias e fins de semana pois não me posso dar ao luxo de recusar trabalho e deixar para amanhã o que posso fazer hoje. Tenho que estar sempre atenta ao telemóvel e ao e-mail e a minha cabeça não pára. Farto-me de trabalhar mas tudo o que faço é em prol desta vida que construí e dos sonhos que acalento. Deixei de ter o conforto do ordenado certinho ao fim do mês mas nestes últimos 5 anos ganhei uma qualidade de vida que vale ouro. Já senti na pele o quão efémera é a vida e abraço-a com toda a minha energia. Dia 29 deste mês faz 7 anos que perdi os gémeos e que também não morri porque Deus não quis. O tempo apaga muita coisa mas jamais o sofrimento físico e emocional por que passei. A partir daí passei a preocupar-me apenas com o que me faz feliz. Passei a relativizar tudo o resto. Tudo mudou e é nas pequenas coisas da vida que encontro a mais pura felicidade. Como sabem tive que comprar um carro novo há pouco tempo e quando o fui buscar o vendedor exclamou: "A D. Paula parece que não está contente!"
Eu olhei para ele e respondi: "Como sabe comprar um carro novo era algo que não estava nos meus planos mas infelizmente teve que ser! Se fosse possível preferia continuar com o velho e com o dinheiro na conta que tanto me custou a juntar. Sou muito Tio Patinhas! Para além disso, a minha felicidade vem das coisas espirituais e não das materiais. Um carro é apenas um carro, preciso dele para fazer a minha vida mas não me faz andar aqui aos pulos de contente."

O que me faz mesmo feliz é isto! É ir buscar a bicharoca fofinha cedo à escola e aproveitar estas tardes outonais maravilhosas! É ir à padaria comprar pão quentinho com manteiga e lanchar com ela num banco do jardim entre mimos, beijos e abraços. É ver o sol pôr-se no horizonte enquanto nos cobre a pele e o cabelo de dourado. É sentir o pulsar da vida com todo o seu esplendor.














Rafaela: Camisa Metro Kids / Vestido La Redoute (nova coleção)

AngelLuzinha Fotografia
Trabalhos realizados no local selecionado pelo cliente ou em estúdio
Fotografo crianças, famílias, moda infantil, eventos e negócios (ateliers, lojas, artigos).
Ver portfólio, serviços, preços e contactos aqui

AngelLuzinha no facebook aqui

8 comentários:

  1. Estar com eles é o melhor do mundo! Lamento o que lhe aconteceu... Também perdi um e sei o que custa.... E custa tanto.... Um abraço apertadinho ...

    ResponderEliminar
  2. lindo:)descreveu também a minha maneira de ver a vida, uma vida linda e pouco materialista.

    ResponderEliminar
  3. Passa o tempo mas dor... essa fica cá!
    Realmente as coisas mais importantes são as mais pequenas, aquelas que nos fazem o coração quentinho por causa do amor que carregam! Penso igualzinho a ti e também mudei a minha vida por eles.
    Engraçado ver a Rafaela com a Baby Alive, a Inês passa a vida com a dela atrás! Ela diz, mãe, é a minha filha, tenho de levá-la para todo lado, tu também me levas a mim! São uns amores!
    Um beijinho enorme com muito carinho neste dia dificil :)

    ResponderEliminar
  4. Oh Paula...eu esqueço-me sempre da história dos gémeos. E cada vez que mencionas isso eu percebo porque é que és tão especial e porque é que me identifico tanto contigo: somos mães de gémeos! Eu também passei por uma má experiência no final da gravidez, tive uma pré-eclâmpsia, fiz uma cesariana de urgência porque estava quase a ir para o outro lado...mas felizmente correu tudo bem! Mesmo assim, a partir daí, passei a ver a vida de forma diferente, precisamente como tu tão bem descreves neste post!
    No entanto, o que mais me faz sofrer é esta vida estúpida, nesta conjuntura social, em que se lembraram de nos fazer trabalhar mais horas e assim me obrigam (a mim e tantas outras mães) a deixar as minhas filhas de 3 anos no infantário às 8h e só vou buscá-las perto das 18h. Isto sim, faz-me sofrer, faz-me sentir muito a falta delas, a falta de tempo para mim, para nós, para a casa, para a família...faz-me questionar qual o propósito disto, qual o propósito desta vida (se é só trabalhar?), qual o propósito de ter filhos e constituir família...enfim, desculpa o desabafo, que foi apenas isso: um desabafo! Mas o teu post despoletou um rol de emoções...

    Beijinho grande! E aproveita muito bem essa vida, que é maravilhosa, com todas as contrariedades que possas ter, mas foi a melhor opção que podias ter tomado (pudesse eu tomar uma opção assim!).

    ResponderEliminar
  5. Um beijinho Paula ! Tem a Rafaela que é uma menina linda e sem dúvida uma bênção. Muitas vezes também penso em deixar o meu emprego das 9 as 5 mas ainda não tive essa coragem! Felicidades e toda a sorte!

    ResponderEliminar
  6. Geralmente os fotógrafos têm alguma dificuldade em expressar os sentimentos de outra forma mas a Paula consegue, como ninguém, aliar a escrita à imagem de uma forma absolutamente cativante. Não é à toa que tem uma legião de fãs e seguidores! A ternura e o encantamento que transmite é coisa rara nos dias de hoje. É uma mulher admirável e a vida compensou-a com a sua Luzinha. O sorrido dela diz tudo!! Tudo de bom é o que lhes desejo e até dia 30 na sessão de natal! Estou desejosa!

    ResponderEliminar
  7. Espero que com as (muitas) visualizações que tem o teu blog, consigas abrir os olhos a muita gente que não tem noção do quão importante são as pequenas coisas que realmente fazem sorrir e trazem felicidade!
    Muitos beijinhos e boa semana, querida Paula...

    ResponderEliminar
  8. Nem sei o que dizer... MUITO OBRIGADA a todas pelas vossas palavras tão queridas... MUITO OBRIGADA mesmo ♥♥♥♥♥

    ResponderEliminar