terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Arrogância e falta de humildade

Raramente abro a porta a alguém pois nunca se sabe quem é que está do outro lado. A exceção vai para o Sr. Carteiro que vem sempre à mesma hora. Quem me visita telefona primeiro por isso quando a campainha toca é sinal de chatices, vendas e afins.

Mas um destes dias tive mesmo que abrir a porta porque os vizinhos já tinham aberto a do prédio e como a Rafaela estava a cantarolar não me pareceu correto não abrir a porta a alguém que já tinha percebido que havia gente em casa. Eis que me aparece um fulano com péssimo aspeto. Identificou-se como sendo de uma associação e perguntou-me, com ar altivo, se podia dar a minha contribuição.

Por regra nunca tenho dinheiro na mala (nem em casa!). Pago tudo com multibanco. Só ando com algumas moedas para pagar os estacionamentos (esse roubo púbico de que somos alvo em todo o lado!). Vou buscar a mala e dou-lhe as moedas que tinha. 

"Desculpe mas só tenho isto. Não costumo andar com dinheiro".

O fulano olha para mim com uma arrogância extrema e exclama:

"Moedas????? Eu quero é notas ou cheques!"

"Notas ou cheques??? Isso também eu queria!" exclamei eu indignada e surpreendida com tamanha falta de humildade.

O fulano lá  aceitou as moedas e subiu escada acima para continuar o peditório. Nem me agradeceu!

Se há pessoa que gosta de ajudar, essa pessoa sou eu e se não o faço mais é porque a vida também me custa a ganhar. Pedir com estes modos é algo do outro mundo! A seguir fechei a porta e fiquei a praguejar sozinha ainda meia indignada. Uma pessoa ouve com cada coisa! A fofinha da Rafaela veio ter comigo e perguntou-me: Mamã, o senhor queria notas ou cheques? O que são cheques??"

Enfim... lá lhe expliquei o que são cheques e lá lhe expliquei que aquele "senhor" era um mal educado. Não se fala nem se pede nada a ninguém com aqueles modos. Arrogância e falta de humildade, duas coisas que não suporto.

E para a próxima já não abro a ninguém nem que a voz da Rafaela se ouça no quarteirão seguinte... nunca se sabe quem está do outro lado e este fulano metia medo... que se lixe a minha boa educação! Para a próxima não abro e ponto final. Felizmente só lhe deu para pedir notas ou cheques... podia ter-lhe dado para muito pior... que horror.... medo...


6 comentários:

  1. Realmente!! Se fosse eu quando me pediu notas e cheques tinha lhe fechado a porta na cara! (sou mt mau feitio!)

    ResponderEliminar
  2. Ontem fui abordada junto ao supermercado para dar a moeda do carrinho a um moço, disse que queria comprar pão.Eu respondi que lhe podia dar o pão q tinha comprado (4 bolinhas rusticas ainda quentinhas) e dei-lhe...olhou de relance paa mim e perguntou:e fiambre? ou um franguinho assado?Como o pão sem nada?....Olhei para ele de tal modo q ele disse...ok ok..obrigada!!! Ha coisassss :D
    No nosso predio nunca abrimos a porta a ninguem que nao seja para contar agua ou luz e tem que estar identificado; qd querem acesso ao prédio para vendas ou assim, nao temos autorização para abrir têm que tocar a todas as portas ;)

    ResponderEliminar
  3. Arrogante sou eu... essa porta independentemente do barulho que a Rafaela estivesse a fazer não seria aberta.
    Essa pessoa podia estar armada com qualquer coisa, sei que pode até parecer demasiado, nunca se sabe.
    Mas essa dos notas e cheques tenho que confessar que me fez rir, isso também eu queria.

    Mas cuidado ao abrir a porta ;)

    ResponderEliminar
  4. A mim já me aconteceu pedirem dinheiro para comer, eu disse que dinheiro não dava que se quisesse algo para comer , eu dava. E ele disse que podia ser, quando lhe dou um pão com fiambre e um pacote de sumo, o fulano diz-me: pão com fiambre?? se fosse uma sandes de presunto!!

    ResponderEliminar
  5. pois, e quando damos um saco com leite, pão, fruta e de manhã quando saímos temos o saco cá em baixo no lixo...pois já me aconteceu!

    ResponderEliminar
  6. Realmente há pessoas sem o mínimo de bom senso... Deverias ter recolhido as moedas, já que não as quer!!

    ResponderEliminar