quinta-feira, 26 de junho de 2014

Não, não é um sonho! É doce e real!

Lembram-se deste post que escrevi o ano passado sobre a cadelinha Amélie?
A Amelie foi adotada pela Andreia que a encontrou abandonada (e à beira da morte) no rio que corre no jardim de Oeiras. Mãe e filho estavam na brincadeira quando ouviram um ligeiro gemido. A Andreia foi ver o que se passava e nem queria acreditar quando se apercebeu que lá em baixo (no meio da água e dos paus) ESTAVA uma cadelinha amarrada com um arame à volta do pescoço presa a uma pedra. BRUTAL! A Andreia telefonou ao marido, pediu ajuda e rumou até ao leito do rio para a salvar daquele cenário dantesco. Já não se punha de pé, estava desidratada e esfomeada. Assim que lhe deu de comer devorou tudo e fartou-se de vomitar tal era a fraqueza. Correu com ela ao veterinário. Diagnóstico: A Amélie (como carinhosamente a batizaram) esteve longos dias em tremendo sofrimento. Lutou arduamente para não morrer afogada e para se ver livre do arame que a sufocava e a prendia à pedra. Pesava apenas 900 gramas, o pêlo caia à mão cheia e já estava cega do olho direito (uma cegueira recente causada provavelmente por uma das ratazanas que andam no rio). 

Felizmente há Anjos na terra e esta família não desistiu. Adotaram-na, batizara-na, deram-lhe cuidados médicos e passou a ser a princesa lá de casa. Hoje é uma yorkshire feliz, brincalhona e super meiga. Não gosta de estar sozinha e fica apavorada quando avista desconhecidos. É uma bichinha traumatizada e muito carente. Isso nota-se na sua forma de estar. Mas quando ganha confiança solta-se e revela o seu espírito divertido e doce como e mel. 

Eu não conhecia a Andreia de lado nenhum mas a Rafaela passa a a vida a meter-se com todos os cães que vê na rua e eu acabo por meter conversa com os donos enquanto ela faz festinhas ao bichinhos. Foi assim que conheci esta família. A Rafaela avistou a Amélie e ficou encantada com a cadelinha. Ficámos a saber o seu triste passado. Fiquei com um nó na garganta e publiquei a história aqui no blog. A crueldade de certas pessoas é assustadora. Não desejo mal a ninguém mas quem faz uma coisa destas merece o pior.

A Andreia passou a ler o blog e a acompanhar as histórias da nossa Fada dos Animais. Nunca mais perdemos a ligação. A Amélie era a princesa desta família e fazia as delicias do pequeno Rodrigo que até dormia com ela. Mas, passado um ano, a Andreia percebeu que as alergias do Rodrigo não se deviam aos pós nem aos pólens, mas sim, à Amelie. Através de análises ficou a saber que é seriamente alérgico a cães e coelhos. Já tinha que fazer nebulizações para dormir.

E foi assim que a Amélie entrou na nossa família. Na passada segunda feira a Andreia enviou-me uma mensagem de partir o coração. Tinham que se desfazer da sua bichinha para bem do Rodrigo. Uma decisão que lhes custou horrores. Queriam encontrar uma família de confiança e lembrou-se logo de nós. Uma família que também tivesse crianças porque a Amélie adorava brincar com o Rodrigo. Uma família serena e feliz que lhe conseguisse proporcionar segurança e muito carinho. Uma família que tivesse uma Fada dos Animais como a Rafaela.

Li a mensagem e já não consegui pensar em mais nada. Tinha que decidir. Fui buscar a Rafaela à escola e contei-lhe. Ficou histérica! A seguir falei com o meu marido e avançámos. No dia seguinte, ou seja, na terça feira fomos buscar a Amélie. A Rafaela estava nervosa e ansiosa. Não queria dormir nem comer. Só queria que chegasse a hora de a ir buscar. E chegou. Às 16h00 estávamos no  local combinado. Eu também estava nervosa. Só me passava pela cabeça ter um cão quando me reformasse... no que é que me vou meter, pensava eu!

A separação foi dolorosa. Arrumámos as coisas da Amélie no nosso carro enquanto a Andreia a cobria de mimos. Eu oscilava entre a felicidade de a ter e a tristeza de a ver despedir daquela família que a salvou da morte certa. Não queria vir connosco. Quando eles se foram embora ficou completamente desorientada a olhar para o local onde se tinham despedido. Não arredava pé. Tremia e cheirava tudo em redor na esperança de os encontrar.

A muito custo lá a conseguir meter na casota para a transportar. A Rafaela cobria-a de mimos. Chegámos a casa. Continuava triste e desorientada. Cheirou todos os cantinhos e aos poucos começou a soltar-se. À hora de jantar perdeu a vergonha! Percebeu que estes três malucos também a adoram e que estão aqui para lhe proporcionar tudo de bom. Começou a pedir mimos, a abanar a cauda, a colocar as patinhas no nosso colo... a coisa mais querida de se ver!

Está connosco desde terça feira e em apenas dois dias está totalmente integrada. Só posso dar os meus sinceros parabéns à Andreia porque a salvou e fez dela uma verdadeira princesa! É a cadelinha perfeita! Educada, obediente, querida e doce como o mel. Temi que a primeira noite fosse dramática mas correu lindamente! Ao serão aninhou-se no sofá ao nosso lado e quando nos fomos deitar foi imediatamente para a casota assim que lhe sussurrei "Amelie vai para o ninho!". E ali fica até de manhã. Não ladra, não faz asneiras pela casa, não morde nada... estou encantada! Passa a vida enroscada no sofá ou atrás das nossas pernas a pedir mimos. Um amor!

E a Rafaela? A Rafaela virou uma "mana" mais velha! Uma mana hiper galinha que a protege de tudo e de todos de forma doentia. Adora andar com ela de trela na rua mas não deixa ninguém chegar perto. Desata num pranto assim que vê outros cães a aproximarem-se porque tem medo que lhe façam mal. Não quer que mais ninguém lhe toque (para além de nós) porque lhe podem magoar o olho que está bom (o direito está cego). Não a deixa fazer chichi nas árvores nem nas flores porque depois murcham... nem ir para terrenos mais complicados porque pode picar as patinhas... "Ohhhh Rafaela por amor de Deus! Relaxa! Deixa a Amélie andar à vontade!"... "Nem pensar mamã, eu protejo-a! Ela é muito frágil e há pessoas muito más! Se alguém lhe faz mal vai ter que se ver comigo!", diz a Fada com uma segurança digna de uma super heroína.

Em suma, trata-a como se fosse de loiça! Com uma delicadeza e um amor que dá gosto ver. 

Aqui fica o registo destes momentos deliciosos. Na terça feira quando chegámos a casa. Um mundo novo à sua espera ;-)




Ontem no passeio e na brincadeira. Por enquanto nem lhe tira a trela no jardim porque tem medo que se perca ou seja atropelada. A sério, a Rafaela parece daquelas mães hiper mega corujas! Ainda é pior que eu!.. quando perceber que ela não se perde vai começar a relaxar... já as imagino a correr por aqueles jardins fora... vai ser a loucura ;-)









"Mamã, isto não é um sonho pois não? É mesmo verdade, não é?"... diz a Rafaela a olhar para mim como quem não acredita. Há tanto tempo que me pedia um cão ou um gato. Agora vê o sonho realizado e merece. É uma criança hiper enérgica mas tem um sentido de responsabilidade surpreendente. É um amor lindo de se ver!.. agora é que eu não largo a máquina... é cliques a toda à hora ;-)

AngelLuzinha

3 comentários:

  1. Fantástico, adorei o post ! <3

    os animais são mesmo uma parte da familia e dão uma alegria imensa ! Parabéns a todos pela felicidade da "princesa"

    ResponderEliminar
  2. Descobrimos agora a publicação e é ver aqui a Telma a escorrerem as lágrimas. Eu (Pedro) fico muito contente em saber de boas e bonitas histórias de famílias felizes com patudos, mas a Telma... Está aqui arrepiada e a chorar de alegria e eu não podia deixar de escrever isto. Um bem-haja! São histórias destas que nos fazem continuar a acreditar num mundo melhor! E essa criança faz-nos acreditar num futuro melhor!!
    Escusado será dizer que já te estamos a seguir e esperamos saber também novidades da patuda...

    ResponderEliminar