sexta-feira, 6 de junho de 2014

O meus aliados contra o Sol e contra o envelhecimento

O Sol é uma fonte de bem-estar indispensável ao nosso organismo. Proporciona boa disposição, relaxamento, estimula o nosso organismo a nível físico e psíquico, faz-nos sentir mais activos, possibilita a fotossíntese no reino vegetal, fornece calor, é responsável pela produção da preciosa vitamina D, tão benéfica ao nosso sistema imunitário, e até pode melhorar algumas doenças de pele através de uma exposição moderada aliada a uma proteção correta. Em suma, sem Sol a vida na Terra estaria condenada. 

Contudo, não há bela sem senão. Cada um de nós nasce com um determinado “capital solar”, ou seja, com um conjunto de meios naturais de defesa como o bronzeado, o aumento da espessura da camada córnea e os processos de reparação celular. No entanto, sempre que cometemos um excesso, estamos a gastar o nosso capital solar. A exposição solar em quantidades inadequadas anula os benefícios do Sol e o exagero traduz-se em manchas na pele (a tal pele de salamandra que eu abomino!) envelhecimento precoce, queimaduras e cancros cutâneos que só têm cura se forem detetados precocemente. Os escaldões que apanhamos na infância podem pagar-se caros na vida adulta, visto serem os grandes responsáveis pelo desenvolvimento de melanomas.

Por tudo isto, moderação e bom senso são as palavras-chave. É preciso informar, reeducar, apostar na prevenção e meter na cabeça de certas pessoas que o bronzeado não é sinónimo de saúde, ou seja, ninguém deve ter vergonha de mostrar umas pernas ou um corpo branco porque uma pele bem tratada é sempre uma pele bonita. Felizmente já se verifica uma mudança de mentalidades por parte das marcas, criadores de moda e profissionais de marketing que há uns anos tanto gostavam de apostar em corpos dourados, passando a mensagem subliminar de que quem não conseguia um bronzeado semelhante estava completamente out.

Eu sou branca (uma espécie de fantasma para estes padrões de bronze!), tenho a pele estupidamente sensível e há muito que deixei de me preocupar com o bronze, até porque sou mega alérgica ao Sol e se não me protejo fico literalmente assada, toda vermelha e com umas comichões pavorosas nos olhos e no corpo. Sinto-me mesmo mal, é um horror! Por isso mesmo, fujo da exposição solar como o diabo da cruz! Cultivo o branco e a saúde porque o bronzeado é efémero e os danos são para toda a vida. Besunto-me de protetor solar dos bicos de pés à cabeça e só vou à praia de manhã ou ao final da tarde para fugir às horas do Sol perigoso.

Dizem que as pessoas bronzeadas têm um ar mais saudável mas uma coisa é parecer e a outra é ser. Antes branca e jovem que bronzeada com pele de sapo. Tenho pavor à velhice e torrar ao Sol é meio caminho andado para arrasar com o colagénio. E depois? Depois chegamos aos quarentas e tais, os níveis de estrogénio começam a descer, a lei da gravidade entra a matar e passamos a sonhar com um belo de um lifting que nos apague os danos dos disparates solares. Por isso mesmo, vale mais ir mimando a pele e deixar a mania dos bronzes de lado para que um dia possamos ser umas velhotas mais giras. E quando se tem uma pele sensível e alérgica ao sol como a minha os cuidados têm que ser redobrados sob pena do verão se transformar num calvário porque a pele sensível é fortemente afectada pelos efeitos resultantes da exposição solar, tais como a vermelhidão, o plurido e a horrível sensação de pele a repuxar. 

Por isso mesmo, seja verão ou inverno, nunca saio de casa sem aplicar no rosto o Superdefense SPF 20 da Clinique (um excelente hidratante com fator de proteção solar) ou o Even Better SPF 20 (também da Clinique)  para hidratar, proteger e corrigir manchas. Vou alternando ambos. Há anos que os uso e não passo sem eles. Quando o calor aperta e o corpo começa a andar mais exposto, também ninguém me apanha na rua sem o Bariésun Enfants SPF 50+ da Uriage na zona do decote, ombros e braços (o mesmo que aplico na Rafaela).


Mas o melhor escudo são as cápsulas que tomo há anos (de Maio a Setembro). Usei o Heliocare (por recomendação do dermatologista) mas há pouco tempo experimentei o Oenobiol Solaire e fiquei 100% rendida. Estas cápsulas ajudam a melhorar a tolerância ao Sol e são uma verdadeira bomba contra o envelhecimento cutâneo, graças aos milagrosos ingrediente activos. A pele fica lisa, firme, imaculada e proporcionam um bem estar indescritível durante os meses mais quentes. Uma espécie de proteção de dentro para fora, altamente eficaz para prevenir a vermelhidão, a intolerância ao sol e o fotoenvelhecimento. Tomo uma cápsula todos os dias ao pequeno almoço. A sua formulação enriquecida com caretenóides naturais presentes na pele (licopeno e luteína) contribui para melhorar a tolerância ao Sol e para proteger a pele dos radicais livres. Para além disso, ajuda a preparar, activar e prolongar o bronzeado (por muito ligeiro que seja, como o meu!).


Em suma, é crucial ter em linha de conta que os disparates que fazemos em novos pagam-se caros mais tarde, ou seja, quando a cabeça não tem juízo o corpo é que paga. E eu prefiro prevenir que remediar porque sou a tal que gostava de chegar aos cem anos sem ar de salamandra… a ver vamos… pelo menos faço por isso! Há quem se preocupe em "investir" em sapatos e roupa, eu preocupo-me mais em investir em mim mesma porque não encontro outra pele nem outro corpo à venda ;-)


AngelLuzinha

Sem comentários:

Enviar um comentário