segunda-feira, 18 de maio de 2015

Este fim de semana deu-lhe para isto!

Há momentos em que parece uma adolescente pela postura e pela forma decidida com que fala e argumenta. E depois há estes em que volta aos 2 anos! No sábado, enquanto eu estive aqui ela ficou com o papá e foram os dois à loja dos chineses comprar sacos para as necessidades da madame Amélie (sim, somos uns donos cívicos ao contrário de muitos que teimam em deixar as porcarias no chão!). Na volta, trouxeram os sacos mais este monstro de peluche debaixo do braço! A miúda avistou-o a um canto, começou com a lenga lenga de que o bichinho tinha uns olhos tristes e de que precisava de um lar e blá blá blá... e o homem lá lhe comprou o urso só para não ter que a ouvir mais. Enfim, teve sorte porque o papá não costuma ceder aos seus caprichos e até se aborrece quando eu vou na conversa porque há dias em que o cansaço me vence e até pago para ela não me atormentar mais. Nesses momentos (que são raros mas existem porque sou mãe e humana!) fico com aquela sensação de culpa porque sei que não agi corretamente. A vida não é feita de facilidades e quero que ela sinta e perceba que nem sempre podemos ter aquilo que queremos. Para além disso, a felicidade reside nos momentos e naqueles que amamos, e não nas tralhas e futilidades que nos rodeiam. Essas só servem para ocupar espaço e desviar a nossa atenção do essencial. Mas isto é o tipo de filosofia que se vai interiorizando com a idade. Para uma criança um urso de peluche será sempre um urso de peluche! 

Em suma, lá veio toda feliz com o bebé (que de bebé tem muito pouco!) enquanto o papá trazia aquela cara de quem não teve alternativa. Ahhh pois! Acontece a todos! Quem tem filhos sabe como é! E eu? Eu fiquei de olhos em bico assim que cheguei a casa e vi o monstro no meio do quarto. 

"Francamente Rafaela! Não havia um urso mais pequeno? Tinhas logo que te encantar por este monstro? Nem acredito que o teu pai foi na conversa! Nem parece dele! Eu passo a vida a querer ver-me livre das tralhas e tu trazes-me este monstro cá para casa?"

"Não sejas assim mamã! Ele não é um monstro, é um bebé urso e estava muito triste naquela loja. Olha para os olhinhos dele! Estás a ver? Está a pedir colo e miminhos! Está a precisar de amor e de alguém que cuide dele!"

Enfim... impossível resistir à conversa desta miúda que tem um coração do tamanho do mundo! O bebé urso já faz parte da família e ontem até teve direito a um passeio pelo jardim porque "estava mesmo a precisar de apanhar ar!".

Aqui a mamã ainda fez cara feia, ainda a avisei que não ia andar a carregar com o estaminé quando ela se cansasse... mas lá a deixei passear o urso. E que feliz que ela andou com o seu bebé e com a fofinha da Amélie que desta vez lá se safou de andar no carro (a pobre cadela detesta ir ali dentro!)

No fim, eu é que me senti um monstro!... eu serei mãe toda a vida mas ela só será criança uma vez 











Rafaela: Colar Terços da Lupinha / túnica H&M / calções Pé de Roupa / sapatilhas Converse All Star

AngelLuzinha

2 comentários:

  1. he he... está cada vez mais gira essa menina! Beijinhos às duas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :-)))) Obrigada ♥ mas acho que a Amélie ficou com ciúmes! Também quer um beijinho para ela :-))))) e o bebé urso também LOL!!

      Eliminar