segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Coisas que se ouvem aqui em casa #11

Quando são recém nascidos temos a sensação que lhes damos tudo e recebemos pouco em troca. Transformamo-nos em anjos da guarda que zelam dia e noite pelo seu bem estar enquanto eles comem, dormem e pouco mais. Mas depois começam a desabrochar. Aos poucos surgem os olhares de cumplicidade e um dia chega o primeiro sorriso que nos enche de uma felicidade ímpar. Babamos! Ficamos absolutamente viciadas naqueles segundos mágicos e tudo fazemos para os ver repetir a proeza.

Mais tarde surgem os bracinhos a pedir colo, as mãos gordinhas a acariciar-no o rosto, os beijinhos deliciosos cheios de cuspo e as palavras que nos enchem o coração e nos dão a certeza que temos feito um bom trabalho enquanto pais. Palavras de reconhecimento que nos enchem de orgulho e nos incentivam a dar sempre o nosso melhor porque os filhos são o nosso espelho e o exemplo tem que partir de nós (mesmo naqueles dias em que só nos apetece desaparecer do mapa por umas horas para relaxar e desligar).

E foi isso que senti na sexta feira, quando a Rafaela chega da escola com esta conversa:

"Sabes mamã, a professora pediu para cada um de nós se levantar e se apresentar à turma mas houve meninos que mal conseguiram falar porque estavam muito envergonhados. Eu também tive um bocadinho de vergonha mas quando isso acontece abano um bocadinho o corpo e começa a passar. Há colegas que metem o dedo na boca, outros roem as unhas e mexem no cabelo"

"Pois, é normal minha querida. São as técnicas que cada um arranja para enfrentar aquelas situações em que nos sentimos menos à vontade."

"Mas eu respondi a tudo e a professora disse muito bem!"

"Calculo! De uma tagarela como tu não se espera outra coisa!"

"A professora perguntou-nos o nome, a morada, se tínhamos irmãos e animais de estimação e no fim pediu para cada um de nós dizer o que mais gosta de fazer na vida. Mas só podíamos dizer uma coisa! Os meus colegas disseram jogar consola, ver televisão, ir ao McDonald's, ir à praia..."

"Ok Rafaela e o que é que tu respondeste?"

"Estar com a minha família".

E é nestes momentos que eu fico a olhar para ela e não encontro palavras para descrever o que sinto. O que é que se faz a uma miúda assim? Retribui-se da mesma forma porque a família é o pilar de tudo e para nós também não há melhor.

Sou viciada neste sorriso e tudo farei para o ver brilhar. Sempre 



Túnica Zippy / colar Terços da Lupinha

Também nos podem seguir no  Instagram e Facebook

Sem comentários:

Enviar um comentário