sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Campo Maior. Cafés e vinhos de excelência

Foi com este grupo FANTÁSTICO que rumámos, faz hoje oito dias, até Campo Maior para conhecer a majestosa Adega Mayor e o Centro de Ciência do Café. Saímos de Lisboa às 19h30 (apanhámos um trânsito pa-vo-ro-so) e só chegámos ao destino lá para as 22h00 e tal.  Mas assim que chegámos sentimos o corpo a relaxar e a mente a descomprimir porque o Alentejo tem esta particularidade. Jantámos e passámos a noite no Hotel Santa Beatriz e no dia seguinte toca a acordar pela alvorada para conseguir cumprir uma agenda bastante ambiciosa. Regressámos a Lisboa depois de almoço, com aquela cara estilo "Não apetece nada arrancar deste sossego bom!" e com a sensação de que ficou muito por ver e fotografar. Mas foram horas intensas, aproveitámos tudo ao máximo e aprendemos uma série de coisas sobre estes vinhos e cafés de excelência. Aqui fica a reportagem desta press trip pelo Alentejo do meu coração ;-)



Aqui está a imponente Adega Mayor! Foi inaugurada em 2007 e é a aposta do Grupo Nabeiro-Delta Cafés na área vitivinícola. É uma espaço único no panorama português, desenhado pelo arquiteto Siza Vieira, numa homenagem à arquitetura do vinho e da vida.

Para Rui Nabeiro, esta "É uma obra com uma conceção arrojada e diferente do habitual." Acrescenta ainda: "Temos um edifício que vai elevar o património alentejano".


A atual área vitivinícola da Adega Mayor está situada em Campo Maior, Alto Antentejo e insere-se numa herdade com uma área total de 350 hectares, com vinhas plantadas na Herdade das Argamassas e na Herdade da Godinha.

A vindima é feita à mão, permitindo uma melhor seleção da uva no momento da apanha e um maior cuidado com a matéria-prima. Quem é que delirou com a experiência? A Rafaela, pois claro!



A Adega dispõe de moderna tecnologia para a elaboração dos seus vinhos, aplicando as técnicas mais avançadas de enologia, tendo sempre como objetivo a obtenção de vinhos de alta qualidade. Quando entramos ali parece que estamos numa espécie de nave espacial! É absolutamente fascinante ;-)



Siza Vieira reservou o último piso da Adega para a vertente mais social e pública do vinho. Aí foi criada a sala de provas que se abre para este terraço panorâmico com relvado e espelho de água encabeçado por um painel esculpido em mármore, desenhado também pelo arquiteto, onde as silhuetas de uma chávena se café, de um copo de vinho e de uma garrafa se sobrepões. E a vista? É deslumbrante! Do terraço avista-se a vinha e o olival da herdade, a Serra de Portalegre e Espanha.



A minha querida assistente também não resistiu em levar a sua Nikon ;-)



A seguir toca a rumar para a sala de provas onde a mamã se perdeu nos brancos, nos tintos e no belo do queijo (por isso adormeci que nem uma pedra na viagem de regresso ah ah ah!... até porque o cansaço era mais que muito e no dia a seguir, ou seja, no domingo, também ia trabalhar... por isso aproveite a viagem para dormir que bem preciso!)




"São as paixões que nos movem. Quando criamos qualquer coisa, motiva-nos sempre algo que envolve um largo conjunto de emoções, desejos, pessoas, locais, objetivos... Foi sempre assim e não é diferente no mundo dos vinhos. Com a grande vantagem de que aqui estamos a criar algo que tem também a ver com um local de eleição, onde estamos a tornar real o nosso projeto. Campo Maior, que sempre nos acompanhou, marcará agora pelas suas condições de clima e de solo e pelas castas alentejanas, o caráter e perfil dos nossos vinhos". Palavras do Comendador Rui Nabeiro que deu assim asas a mais um dos seus grandes sonhos


E se passarem por Campo Maior não deixem de visitar também o Centro de Ciência do Café, o projeto que o Comendador Rui Nabeiro criou com o intuito de transmitir o conhecimento sobre as temáticas relacionadas com o café. É um centro moderno que alia conhecimento, divulgação técnico científica, informação, atividades interativas e que pretende divulgar a cultura do café e promover espaços dinâmicos do conhecimento e lazer, estimulando a curiosidade e o desejo de aprender. 


Com o fofinho do Mico, a mascote do Centro que nos recebeu de braços abertos! 


Quem me conhece sabe que não sou consumidora de café. A minha natureza vulcânica não se dá bem com cafeína porque, apesar de ter a tensão super baixa, sou muuuuuito agitada e preciso é de calmantes para abrandar!... mas fiquei parva com as maravilhas que vi e ouvi sobre esta arte! A Rafela só me dizia "Nunca pensei que o café tivesse tanta história!"






Só foi pena não termos tido tempo para ver tudo mais detalhadamente porque este Centro é um mundo! A Rafaela delirou e ainda hoje me diz que quer lá voltar para conseguir examinar com calma todos  os bichos que habitam os cafezais. Impressionante, a sério! Vale a pena ;-)



Na foto abaixo, temos a primeira carrinha que distribuiu café em Portugal! Uma autêntica relíquia ;-)


E por último, não posso deixar de agradecer ao Hotel Santa Beatriz pela forma calorosa e hospitaleira com que nos recebeu. Um hotel sem luxos mas super cosy, luminoso e confortável onde me senti verdadeiramente em casa sobretudo pela simplicidade e simpatia do pessoal (eu sou supeita mas os alentejanos são peritos na arte de bem receber!)


O pequeno almoço é servido no rés do chão e a sala tem uma luz natural deliciosa! 


No andar de cima temos a sala de jantar onde apetece ficar horas na conversa entre um copo de vinho e aqueles pratos caseiros que tanto aprecio ;-)


Em suma, aqui fica um belo programa para fazerem em família num fim de semana/férias longe do caos infernal da cidade. Recomendo! Por mim seguia para lá já hoje... mas tenho que ir arrumar as tralhas porque amanhã é dia de acordar bem cedo para fotografar uma coleção outono inverno linda de morrer! As férias e o descanso vão continuar adiados aqui para os meus lados :-)

Também nos podem seguir no  Instagram e Facebook

Sem comentários:

Enviar um comentário