quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Dilemas


"Gostava tanto de ter um telemóvel! As minhas colegas já têm e a minha melhor amiga também. E eu mamã??? Quando é que posso ter um?".

Tem sido a pergunta do dia desde que entrou no 4º ano. Nunca me tinha falado em tal coisa mas na escola nova os miúdos já são todos mais crescidos (vai do 4º ao 6º ano) e a maioria já anda ligada ao mundo digital. Eu respondo-lhe que tudo tem o seu tempo e que ela não tem que ter uma coisa só porque os outros têm. Aqui em casa esse argumento não funciona. Eu estou-me literalmente a borrifar para as coisas materiais e não é pelo facto de A ou B ter uma determinada coisa, que eu vou a correr comprar igual para a minha filha. Muito pelo contrário! Quem me conhece sabe perfeitamente que não gosto de seguir rebanhos e faço os possíveis para dar à Rafaela uma educação assente em valores e não em coisas. O meu lema é viver com menos para ter mais (mais tempo para o que é realmente importante, mais espaço e mais sanidade mental) porque as coisas em excesso só nos complicam a vida.

Para além disso, esta questão lança-me num enorme dilema. Porquê, perguntam vocês? Porque o facto dela estar contactável tranquiliza-me imenso MAS também me preocupa porque sei que este objeto é muuuuuito tentador e não quero que ela passe a fazer parte da percentagem que vive enterrada nos ecrãs (nem pensar!). De qualquer forma, estou tentada a tomar uma decisão porque o MEU telemóvel passou a ser o NOSSO telemóvel! Vai ao youtube pesquisar músicas e vídeos sobre plantas e animais (tinha que ser!) e ao instagram responder às mensagens que as amigas lhe enviam através da minha conta (sim, porque a maioria já descobriu o blog e afins). Estão a ver a cena, não estão?! Agora, para além dos meus instadirects profissionais (sim, porque o instagram é uma das minhas ferramentas de trabalho) também recebo as mensagens das amigas dela :)

A tudo isto somam-se as aulas de iniciação à informática que frequenta na escola e estimulam a sua curiosidade sobre o mundo virtual. Em suma, os tempos mudaram e cabe nós, pais e educadores, acompanhar este processo de crescimento de forma sábia, atenta (o controlo parental é fundamental!) mas simultaneamente descontraída. No dia 26 de dezembro faz 10 anos e talvez tenha uma surpresa... quem sabe?! Eu e o pai vamos pensar no assunto...

Também nos podem seguir no  Instagram e Facebook

3 comentários:

  1. O mesmo dilema! A minha filha desde o terceiro ano que me pede o mesmo. Sempre lhe disse que ainda é muito cedo para ter um telemóvel e que precisa "crescer" mais um bocadinho. Talvez quando for para o 5° ano, mas ainda é um talvez!

    ResponderEliminar
  2. Os meus tiveram telemóvel aos 10 anos mas não o podiam levar para a escola. Isso para mim foi ponto assente. Se iam e vinham acompanhados, não podiam sair da escola nos intervalos... estão sempre contactáveis através dos meios usuais, para que precisariam do telemóvel? Distrações com conversas já eles têm. E não me dei mal com este sistema.

    ResponderEliminar
  3. Os meus tiveram o primeiro precisamente aos 10 anos, quando entraram para o 5º ano. É um mundo novo e é preciso muita negociação para que não seja um vício...até para nós, quanto mais para eles. Enfim...boas decisões!

    ResponderEliminar